Baldessari and I

Para quando eu morrer

Se algum dia, por algum toque de mágica a minha história tiver de ser relatada, lembrem-se que eu gosto da abertura d’O Fabuloso Destino de Amélie Poulain de Jean-Pierre Jeunet assim como deste vídeo, muito bom, de John Baldessari. E chamem a Carmen do Bizet a fazer pandam com o William Teller de Rossini.

Há mais para ver na página dedicada do Artsy.

comments powered by Disqus